Tá na Ita, tá legal!

Vereador exibe arma de fogo durante sessão na Câmara Municipal de Itaituba

Na sessão ordinária da Câmara Municipal de Itaituba que aconteceu na última terça-feira (03), no sudoeste do Pará, uma série de desentendimentos ganhou repercussão nas redes sociais. O episódio envolveu dois vereadores da casa de leis, Felipe Marques (PSL) e o vereador delegado Conrado Wolfring (PSB).

A informação que se tem da situação é que o vereador Felipe Marques citou o então vereador Conrado Wolfring em sua fala, se referindo a ela como ex delegado, é que nesse momento Conrado não contente com a citação teria aberto o paletó e mostrado a arma, ressaltando que ele é sim delegado e tem o porte. Para o vereador Felipe, o ato de Conrado suou com ameaça.

 

 

 

 

O jornalismo a Tv Eldorado procurou os vereadores para explanar a situação e levar ao conhecimento dos munícipes o que de fato ocorreu. Uma vez que os dois vereadores envolvidos na situação foram eleitos pelo povo e a situação aconteceu dentro dentro da casa de leis do município.

Felipe Marques – Vereador

“No momento que eu fui fazer a minha fala na tribuna eu falei das mães, falei dos trabalhos que nós estamos fazendo no município, nas comunidades e quando eu falei que a corregedoria da Polícia Civil estava no município pra ouvir algumas pessoas a respeito exatamente do ex-delegado Conrado estar andando armado, indo armado para as sessões e eu falei que eu estava disposto a ser ouvido pela corregedoria pra falar do caso. Nesse momento que eu falei isso ele levantou da sua mesa abriu o paletó dele, o terno dele, e mostrou a arma e ficou esbravejando descontroladamente. Eu sou delegado sim. Está aqui minha arma eu tenho porte. Mostrava a arma com o intuito de tentar intimidar a gente. E que as pessoas que me conhece sabem do meu trabalho sabe do que eu não me intimido com qualquer coisa. E ali não foi diferente apesar de estar nervoso.
apesar de temer pela minha vida uma vez que ele estava descontrolado e poderia a qualquer momento sacar a arma e efetuar disparos contra a minha pessoa. Ainda assim eu terminei meu discurso, terminei minha fala e a coisa se acalorou um pouquinho entre os demais colegas vereadores. Constantemente o vereador delegado Conrado tem se envolvido em situações que fogem ao padrão de comportamento de um poder legislativo”. Declarou Felipe Marques.

Já na versão apresentada pelo vereador Conrado, ele relata que se sente atacado por ser oposição.

Conrado Wolfring – Vereador

“Eu sou oposição tudo que eu falo eu sou atacado. E eu vejo ali a maioria defendendo o prefeito. Enquanto deveria fiscalizar, eles defendem o prefeito. A minha posição é em fiscalizar o dinheiro público. A a minha questão é onde está o dinheiro público. A minha questão é sempre cobrar
aí o investimento do dinheiro público na população porque é um município rico mas a população é pobre. Era pra população estar muito melhor de vida pelo dinheiro que entra no município. No caso ali ele falou que eu não era mais delegado, que eu não sou mais delegado. Ele quis dizer, uma coisa assim
Eu falei sou o delegado sim, inclusive eu ando com arma. E a arma nem apareceu na verdade, minha arma é pequena. Eu uso uma GX4 né? E ela é muito pequena, nem tem aparência. Não dá pra ver com paletó.
e ele se sentiu ameaçado mas aquilo ali foi uma encenação é um circo na verdade ali armou-se um circo e eu me me dispus a não levar mais essa arma no estabelecimento, mas eu sei que foi um circo ali tudo armado pra atacar minha pessoa. Mas é importante que o senhor Felipe leve a Polícia Militar, a Polícia Civil e acredito que não vá polícia civil porque a polícia civil é outra função”. Declarou Conrado Wolfring.

Quanto ao episódio da arma, o vereador Felipe Marques disse que se sentiu ameaçado e pretende pedir proteção policial.

“Eu fiz um requerimento pedindo que a presidência da Câmara que despachasse um ofício para a delegacia para as polícias civis e militares pra se que se fizesse presente nas próximas sessões, a fim de garantir a integridade física de nós vereadores. E nesse momento todos os vereadores se manifestaram favoráveis a ao meu requerimento e também falaram ah do constrangimento que foi, do perigo que foi, tinha criança na sessão, tinham mães, tinham funcionários na sessão que estava sendo presidida por uma mulher, nossa vice-presidente Maria Pretinha e todo mundo ficou nervoso, mas todo mundo foi favorável ao meu requerimento da encaminhar ofício para as polícias estarem presentes para garantir nossa integridade física”. Disse Felipe.

Já Conrado Wolfring rebate a fala do vereador Felipe.

Eu não vi ninguém ameaçado lá. Eu inclusive eu não puxei arma em momento nenhum. Eu só falei que eu sou delegado, continuo delegado. Eu só estou afastado da polícia. Isso daí foi tudo aumentado. Tá? Isso aí foi tudo aumentado. Isso aí foi uma encenação que fizeram um circo armado enquanto a minha pessoa. Tudo que eu me manifesto na câmara fazem um circo contra a minha pessoa”. Disse Conrado.

Fonte: ITA FM