Tá na Ita, tá legal!

Queda de helicóptero no Pará: corpo da 2ª vítima é achado

Desde a tarde de terça-feira (20), uma grande força-tarefa envolvendo agentes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Militar do Pará e demais órgãos de segurança pública estadual e federal foi montada para localizar um helicóptero desaparecido na região dos municípios de Jacundá e Goianésia do Pará, no sudeste do estado.

Na manhã desta quarta-feira (21), graças ao empenho e apoio de pescadores e moradores da região onde a aeronave desapareceu, os primeiros destroços do helicóptero foram encontrados em uma ilha às margens do Lago de Tucuruí, próximo à comunidade de Porto Novo, em Goianésia do Pará, assim como um corpo que pode ser de um dos três ocupantes desaparecidos.

Já no início da tarde, a PRF confirmou que um segundo corpo foi encontrado junto ao helicóptero no fundo do Lago de Tucuruí. De acordo com o órgão, a segunda vítima do acidente aéreo estava no interior da aeronave.

Mergulhadores do Corpo de Bombeiros Militar do Pará foram acionados para fazer a remoção do corpo do fundo do lago. Há a suspeita de que a terceira vítima seja encontrada nas proximidades, visto que o primeiro e o segundo corpo foram achados a cerca de cinco metros de distância um do outro.

DESAPARECIMENTO MISTERIOSO

O helicóptero, modelo Robinson R44 de cor preta, prefixo PR-BLZ, foi visto pela última vez na segunda-feira (19). Ele decolou da Chácara Bela Vista, na Vila Maracajá, situada na zona rural de Novo Repartimento, com destino a Marabá.

Dentro da aeronave, estavam o empresário Josimar Éneas da Costa, o analista de Infraestrutura de Transportes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Abílio Manoel Figueiredo, e Nildo Ferreira, prestador de serviços para o analista do Dnit.

Josimar Éneas da Costa era o responsável por pilotar a aeronave, já o analista Abílio Manoel Figueiredo, que atua no Dnit na cidade de Redenção, na região sul do Pará, não estava a serviço do órgão no momento do desaparecimento, de acordo com o próprio Dnit. Nildo Ferreira, por sua vez, costumava prestar serviços para Abílio.

 

Fonte: DOL