Tá na Ita, tá legal!

Prefeito Gelson Dill (MDB) de Novo Progresso, está internado em hospital no MT, para cirurgia

Cirurgia do prefeito Gelson Dill (MDB) é para retirada de bolsa de colostomia. (Foto: Reprodução)

O prefeito Gelson Dill (MDB) de Novo Progresso está internado desde esta terça-feira, 29 de novembro em hospital (não informado), na cidade de Sinop (MT), onde vai passar por uma nova cirurgia para retirada da bolsa de colostomia e reconstrução intestinal.  A cirurgia deve acontecer nesta quarta-feira (30).

No início deste mês o vice-prefeito Marconi, foi quem passou por cirurgia bariátrica (redução do estômago), no Hospital e maternidade Jacarandás, na cidade de Sinop (MT).

A cirurgia ainda é decorrência  de quando o prefeito de Novo Progresso, Gelson Dill (MDB), teve que passar por uma cirurgia de emergência, em janeiro deste ano, em um Hospital da cidade de Guaratinguetá distante 7,5 km de Aparecida (São Paulo). Ele se recuperou na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O procedimento – é menos arriscado que o anterior, mas o prefeito será submetido a anestesia geral e pode ter o abdômen novamente aberto. Ainda conforme informação, desde ontem o prefeito passa por exames de sangue e uma tomografia computadorizada para averiguar se existe alguma infecção para passar pelo processo cirúrgico.  O procedimento costuma durar cerca de duas horas e tem uma média de internação de cinco dias, dependendo da evolução do paciente.

O Jornal Folha do Progresso procurou informações junto a médico especialista que afirma que o procedimento não é complicado do ponto de vista técnico, mas que é preciso muita atenção no pós-operatório para que a equipe aja rapidamente caso haja alguma aderência ou infecção.

Cirurgias deste tipo, afirma o médico, duram em média duas horas e exigem uma internação de pelo menos três a cinco dias. O paciente é submetido à anestesia geral, mas não há necessidade de ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Normalmente o paciente vai para a sala de recuperação pós anestésica e fica em observação por até quatro horas. Depois disso, vai direto para o quarto. Só costuma ir para a UTI se tiver outras comorbidades, como por exemplo um problema cardíaco ou um problema pulmonar grave”, explica.

Nos dias de internação, o paciente inicia uma dieta líquida. Se tiver boa aceitação e o intestino começar a funcionar sem provocar dores, passa para uma dieta pastosa. Não havendo complicações, o paciente já pode receber alta para concluir o pós-operatório em casa. A preocupação neste período, afirma o medico, é garantir que a sutura está bem feita e que não há chance de vazar fezes nem gases para a cavidade abdominal. “Se tem uma microperfuração, pode vazar fezes. Aí o paciente vai sentir dor, ter distensão abdominal e febre”, acrescenta.

A grande maioria das colostomias é temporária, ou seja,o paciente fica com a bolsa coletora por um período e, depois, é realizada a cirurgia para reversão, que restabelece o fluxo intestinal normal. De forma geral, o intervalo entre a primeira cirurgia e a cirurgia de reversão da colostomia é de no mínimo dois meses.

A prefeitura não informou sobre os dias de internação, se o prefeito Gelson Dill (MDB) passou o poder para o vice Marconi.

Fonte: Jornal Folha do Progresso