Tá na Ita, tá legal!

Polícia Civil define estratégias e protocolos para investigações de feminicídio

Ação reúne policiais civis de unidades especializadas no atendimento à mulher e delegacias de bairros

Em prosseguimento às ações do “Agosto Lilás”, mês de enfrentamento à violência contra a mulher, a Polícia Civil do Pará promoveu nesta sexta-feira (11), na sede da Delegacia-Geral, em Belém, reunião técnica com policiais civis de unidades especializadas no atendimento à mulher e delegacias de bairros, para tratar de estratégias e protocolos adotados em investigações nos crimes de feminicídio e coleta de indícios de autoria e materialidade.

O evento foi realizado no auditório “Delegada Ione Coelho”, e contou com a participação de peritos da Polícia Científica.

Segundo a delegada Bruna Paolucci, titular da Delegacia de Feminicídios e Outras Mortes Violentas contra Gênero (Defem), o encontro proporcionou a troca de experiências por meio de análise de estudos de casos.

“Juntamos alguns casos e apresentamos as técnicas utilizadas na apuração dos delitos investigados pelas delegacias das mulheres de Belém e Ananindeua, no primeiro semestre deste ano. Reforçamos a importância da atuação policial conforme protocolos de coletas de indícios nos locais de crimes, escuta, depoimentos e outros mecanismos adotados para investigação, além da elaboração de inquéritos policiais de qualidade”, informou Bruna Paolucci.

Padronização – Para a delegada Ariane Melo Rodrigues, titular da Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV), a ação é mais uma forma de a Polícia Civil padronizar o atendimento e a atuação de servidores frente às apurações de crimes violentos envolvendo mulheres.

“Essa é uma estratégia adotada pela direção da Polícia Civil para capacitar os policiais civis que atuam na linha de frente de investigações envolvendo os crimes violentos praticados contra mulheres. Também é uma forma de valorizar o servidor, pois com esse trabalho será possível aprimorar o que já vem sendo realizado por unidades especializadas e em delegacias de bairro”, disse Ariane Melo Rodrigues.

Também estiveram presentes o delegado Evandro Araújo, titular da Diretoria de Polícia Especializada (DPE), e equipes da Divisão de Homicídios de Belém.

A Defem foi criada em março deste ano pelo Governo do Pará com o objetivo de ampliar o trabalho da Polícia Judiciária, responsável por investigar feminicídios tentados e consumados, suicídios, mortes aparentemente acidentais, desaparecimento seguido de morte, lesão corporal seguida de morte e outros crimes praticados contra mulheres, mulheres trans e travestis, em decorrência de gênero.