Tá na Ita, tá legal!

Outubro Rosa: amamentação ajuda a prevenir câncer de mama

A amamentação reduz em até 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos e, também, diminui a chance da criança ter alergias, infecções, diarreia, doenças respiratórias, otites, obesidade e diabetes tipo 2. Além de todos esses benefícios para as crianças, amamentar oferece uma série de vantagens para as mulheres, como a redução no risco de câncer de mama. Nos últimos dias de mais um Outubro Rosa, mês histórico de prevenção quanto à doença, especialistas da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Estado do Pará (FSCMP) reforçam que o processo fisiológico da amamentação, além de inigualável para a saúde do bebê, ajuda a prevenir câncer de mama para a mãe. De acordo com a mastologista Cynthia Lins, médica do Ambulatório da Mulher da Santa Casa e presidente da Seção Pará da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o benefício já começa na própria gravidez: “Na gestação, há o completo desenvolvimento do parênquima, conjunto específico de células de uma glândula ou de um órgão mamário, preparando esse tecido para a amamentação, com renovação das células mamárias”.

Ela também destaca a exposição hormonal: “No período de amamentação, as mulheres ficam menos expostas aos hormônios femininos relacionados ao risco de câncer de mama”, completa. Outro mecanismo ocorre quando o leite é ejetado pelos ductos mamários: essa ação pode eliminar células mamárias que teriam sofrido alguma alteração na estrutura, fenômeno que poderia levar ao aparecimento futuro do câncer de mama.“Existe, então, um processo natural de substituição das células mamárias na amamentação, podendo eliminar células modificadas ou com mutação de risco para o câncer de mama”, explica a mastologista Cynthia Lins. E, desmistificando, ela afirma que mesmo quem já passou por uma primeira experiência de câncer de mama pode amamentar: “Nos casos de mastectomia, que consiste na retirada da mama, a amamentação pode ser realizada pela mama que não foi operada; no caso de retirada parcial, quadrantectomia, desde que não tenha ocorrido retirada dos ductos mamários, a amamentação pode ser feita inclusive pela mama que já teve câncer”, explica a médica do Ambulatório da Mulher da Santa Casa e presidente da Seção Pará da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).

Fonte: Diário Online