Tá na Ita, tá legal!

Moradores fazem manifesto e pedem justiça, após jovem de 23 anos ser brutalmente violentada em Novo Progresso

(Foto: Redes Sociais)

Os manifestantes percorreram pelas principais ruas da cidade, pararam em frente ao fórum e  seguiram até o hospital municipal onde a vítima está internada,  com cartazes em mãos protestaram pedindo justiça. “O povo quer Justiça e quer que quem fez isso seja capturado e seja punido exemplarmente.”, disse uma manifestante ao Jornal Folha do Progresso.

Manifesto na entrada do Hospital Municipal em Novo Progresso, (Foto: WhatsApp)
Manifesto na entrada do Hospital Municipal em Novo Progresso, (Foto: WhatsApp)

O Caso

Jhuliana Ketelly Mucha de 23 anos,  trabalhava durante a noite em uma pizzaria, saiu do trabalho por volta das 01h00min,  quando teve a motocicleta interceptada nas proximidades do loteamento Pantanal, no bairro Jardim América, foi jogada ao chão com a batida na traseira por um veiculo, um homem desceu do veículo de cor cinza e a atacou. A vítima foi encontrada por populares que chamaram o SAMU,  chegou viva no hospital,  foi atendida na emergência, o estado de saúde é grave.

 

A vítima teve roupa arrancada, pedaços de cabelo ficou esparramado , parte do coro da cabeça ficou pendurado ao ser espancada. Imagens circulam nas redes sociais são fortes!

Qualquer informação sobre o suspeito, entre em contato com a polícia.

Estado de Saúde

Conforme informações inicias, Jhuliana Ketelly Mucha passou por diversos exames, no dia de ontem, chegou ter pedido médico para transferência, no final da tarde apresentou melhoras no quadro clinico e a transferência não foi realizada. Neste domingo (03), o hospital repassou para o Jornal Folha do Progresso que o estado de saúde da paciente continua estável.

Nota da Prefeitura

A prefeitura da cidade divulgou nota em áudio, afirmando que a ocorrência  merece pronta investigação das polícias, do Ministério Público e do Poder Judiciário. Pediu também para não divulgarem as imagens.

“O ocorrido causou comoção em toda a comunidade progressense, uma vez, que a jovem de apenas 23 anos, conhecido como uma pessoa trabalhadora, mantinha dois empregos durante o dia e a noite, Juliana não tem familiares em Novo Progresso.

Investigação

A polícia ouviu em depoimento a vítima na tarde deste sábado, Juliana disse não lembrar do que aconteceu, antes de ser internada falou para populares que ajudaram no socorro, que a motocicleta que usava, foi batida na traseira por um veículo que a seguia de cor cinza, depois disto não lembra, mais do que aconteceu.

As polícias Militar e Civil, estão empenhadas em desvendar o caso, e pedem ajuda para população se caso encontrarem o veículo suspeito com batida na parte frontal aviarem a polícia.

 

Manifesto em frente ao fórum (foto:WhatsApp)
Manifesto em frente ao fórum (foto:WhatsApp)

Fonte: Folha do Progresso