Tá na Ita, tá legal!

Ex-moradora de Novo Progresso denuncia que foi estuprada em Hospital ao fazer cesárea

Uma mulher de 33 anos, residiu em Novo Progresso(PA) por mais de quatro anos, procurou o Jornal Folha do Progresso, para denunciar ter sido abusada sexualmente ao dar entrada no hospital com dores de parto. Suzana Silva Paula, de 33 anos, disse que foi encaminhada para cesárea, foi sedada, sendo estuprada em frente a outras pessoas.

O Caso aconteceu na cidade de Três Lagoas (MS), em novembro de 2022, a vítima estava dopada, aos poucos a lembrança veio à tona e registrou o Boletim de Ocorrência para providências.

Suzana postou em sua página no Facebook (veja abaixo)

Facebook I Reprodução
Denuncia – Conforme relatos da vítima para polícia, na noite de 4 de novembro de 2022, deu entrada no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, na cidade de Três Lagos (MS), uma vez que estava grávida de 39 ou 40 semanas, em face das dores o médico pediu para encaminhar para cessaria, foi orientada que receberia medicação via soro, para aliviar as dores, que havia três homens e duas mulheres foi levada para sala de cirurgia por volta das 00h50min do dia (05). Suzana disse que não conseguia se mover, não abria os olhos, mas ouvia o que se passava, que ouviu uma voz aparentando ser o mais velho, imagina ser o médico, tire este negócio da mulher, respeite o sono dela, respeite a criança, imagina ser o ato sexual, após exigência do mais velho ele disse vou limpar tudo dela, não vou deixar nada, que se referia do seu órgão sexual. Relata ainda a vítima, que este homem proferia palavras de baixo calão e aparentava exibi-la para os outros na sala. Suzana foi submetida a raquianestesia e por volta das 01h50min, a criança nasceu.

A mulher, que precisou ser sedada com anestesia geral após o procedimento, foi encaminhada para uma sala de recuperação assim que saiu do bloco cirúrgico.

Já no quarto de recuperação, Suzana sentiu forte dores no órgão genital e anal, pensou em perguntar para a enfermeira se houve algum procedimento nestes órgão e ficou com vergonha e não fez.  Passado o mês de novembro e dezembro, sob uma espécie de amnésia, não lembrou, de janeiro em diante as lembranças começaram a lembrar de detalhes do ocorrido, e resolveu denunciar. Suzana argumenta que não procurou tratamento para o fato, mas relata que recebeu sequelas, marcas físicas além de psicológica.

De acordo com os relatos para Polícia, a vítima percebeu sinais de abuso no quarto, horas após a cirurgia.

O Caso foi encaminhado para delegacia da Mulher para providências.

As informações são do Boletim de Ocorrência

O Jornal Folha do Progresso, entrou em contado com o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, via WhatsApp e recebeu a seguinte nota.

Boletim Informativo Hospital Auxiliadora

Três Lagoas, 25 de fevereiro de 2023.

A direção do HNSA tomou conhecimento do relato de uma paciente nas redes sociais e por sua Ouvidoria sobre suposta violência sofrida pela mesma. Visto a gravidade do relato, de pronto iniciou sua apuração interna. A Instituição adianta que está bastante tranquila com a lisura e ética de seus profissionais. Importante frisar que a paciente não estava sedada durante seu procedimento, sendo o mesmo presenciado por vários profissionais. Por iniciativa do próprio Hospital, seu Departamento Jurídico solicitará a Polícia Civil e ao Conselho Regional de Medicina – CRM, rápida e minuciosa investigação. Entregará de imediato todos os documentos do atendimento, bem como indicará todas as testemunhas que estiveram presentes durante o período de internação, para a investigação completa, em busca da verdade pelas autoridades. O Hospital tomará todas as medidas cabíveis após a conclusão do caso pelas autoridades, contra quem quer que seja. A Instituição reafirma que sua maternidade é altamente qualificada e conta com médicos e enfermeiros especializados em obstetrícia, além de garantir o atendimento humanizado, é referência para toda região Costa Leste do Estado de Mato Grosso do Sul e conta também com a UTI Neonatal para atender os recém nascidos que necessitam de terapia intensiva.

 

Por :Jornal Folha do Progresso