Tá na Ita, tá legal!

Confirmada morte de piloto de avião que fez pouso forçado em Oriximiná

Avião Caravan da Piquitauba; Davi Salomão no detalhe – Créditos: Reprodução Facebook e redes sociais

Em comunicado, a empresa Piquiatuba Táxi Aéreo confirmou na tarde de domingo (11), o falecimento do piloto David Salomão Barreto dos Santos, 62 anos. O piloto que precisou fazer um pouso forçado na manhã do último sábado (10), após decolar do aeroporto do município de Oriximiná, no oeste do Pará, com destino à aldeia indígena Ayaramã.

“Os pilotos ressignificam diariamente o termo herói ao exercer com exímia competência suas funções, conduzindo passageiros e os protegendo nos voos pelos céus do Brasil. David era um desses homens inspiráveis, destacando-se por ser chefe dos pilotos e um profissional sempre entusiasmado. Deixa três filhos e esposa que certamente seguirão inspirados por essa trajetórias hoje e sempre”, disse a empresa na nota.

Nas redes sociais, Manyra Salomão, mãe do piloto David Salomão, confirmou a morte do comandante da aeronave, porém, sem detalhar a causa do óbito do filho.

Na aeronave estavam ainda quatro pessoas: o odontólogo Alencar Neto, o auxiliar de odontologia Luiz Carlos de Oliveira, o técnico de enfermagem Anézio Wai Wai e Nicole Seixas, do IBGE. Os sobreviventes foram regatados e levados de avião para um hospital particular em Santarém. O piloto David Salomão não resistiu ao ferimento e morreu à noite.

De acordo com informações apuradas, o controlador de voo detectou no radar o desaparecimento do avião e acionou as autoridades, que iniciaram as buscas pelos sobreviventes. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) ainda não se manifestou até o momento sobre as causas do acidente.

A aeronave precisou fez um pouso forçado em uma plantação nas proximidades de Porto Trombetas, distrito de Oriximiná, por conta de uma pane nos motores. O avião foi localizado no final da tarde de sábado. O resgate das vítimas foi feito por helicóptero.

Outros quatro resgatados não correm risco de morte.

Fonte: O Impacto e Estado Net