Tá na Ita, tá legal!

Com 50,9%, Lula supera Bolsonaro e é eleito o novo presidente do Brasil

ALICE VERGUEIRO/ESTADÃO CONTEÚDO
Lula vence Bolsonaro no segundo turno (ALICE VERGUEIRO/ESTADÃO CONTEÚDO)

O pernambucano Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva foi eleito presidente do Brasil, pelo Partido dos Trabalhadores (PT), com 50,9% dos votos, neste domingo (30) de Segundo Turno das Eleições 2022 no país. O resultado foi oficializado por volta das 20h, quando 98,72% das urnas tinha sido apuradas, e Lula apresentava 50,83%, conforme divulgação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após quase três horas de apuração. Em disputa acirrada, Bolsonaro ficou com 49,16% dos votos apurados.

Aos 77 anos, Lula volta ao Palácio do Planalto para ser o 39º presidente brasileiro, a partir de 1º de janeiro de 2023. O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) é o vice-presidente do país.

Lula é ex-metalúrgico e líder sindical no ABC paulista, fundador do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1980, Lula, como é mais conhecido pela abreviação do nome Luiz, foi o 35º presidente do Brasil entre 2003 e 2011. Ele surgiu na cena política nacional como líder do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema e como fundador do Partido dos Trabalhadores (PT).

Em abril de 1980, ainda sob a ditadura militar, Lula liderou cerca de 140 mil trabalhadores da região do ABC Paulista em uma greve organizada pelos sindicatos locais.

Trajetória de Lula

Em 2014, Lula apoia a reeleição de Dilma, eleita no 2º turno com 51,64% dos votos, contra os 48,36% de Aécio Neves, numa das disputas mais acirradas da história das eleições.

A condenação de dirigentes ligados aos partidos do governo no processo do Mensalão, a mudança radical na política econômica, com a ascensão de Joaquim Levy ao Ministério da Economia, a perda de apoio no Congresso e as manifestações de rua criaram o clima para o impeachment da presidente Dilma Rousseff, sob a acusação de “pedaladas fiscais”, manobras no orçamento para financiar gastos do governo.

Prisão e condenação

Neste contexto, explode também o escândalo do Petrolão, no âmbito da Operação Lava Jato, conduzida pelo juiz Sérgio Moro, envolvendo integrantes do PT, do PMDB, PL e outros partidos da base aliada do governo. Lula é preso e condenado sob acusação de ter concedido facilidades a uma empreiteira em troca de um triplex, no Guarujá, em São Paulo.

Gravações obtidas e divulgadas por um hacker mostraram, no entanto, que houve combinação entre o juiz do processo e os procuradores visando à condenação do réu, o que não é admissível no processo legal brasileiro. Por força dessas novas revelações, o Supremo Tribunal Federal declarou a suspeição do juiz e a sentença de condenação foi anulada, o que permitiu que Luiz Inácio Lula das Silva concorra à presidência este ano.
Fonte: O Liberal