Tá na Ita, tá legal!

Chefe do necrotério da universidade de Harvard é acusado de vender restos humanos por quase R$ 500 mil

Reprodução/Harvard

O diretor do necrotério da renomada Faculdade de Medicina de Harvard teria retirado do local, sem permissão, partes de corpos para vender sem permissão, segundo procuradores dos Estados Unidos. O homem identificado como Cedric Lodge, 55 anos, foi acusado de traficar restos humanos roubados e o procurador Gerard Karam explica a denúncia citando que “Alguns crimes desafiam o entendimento. É extremamente perverso quando se pensa que as vítimas se ofereceram voluntariamente para que seus restos mortais fossem usados para educar profissionais da medicina e promover a ciência e a cura”, acrescentou Karam.

Lodge, sua mulher, 63, e outros cinco possíveis cúmplices foram acusados de participar de uma “rede nacional” de compra e venda de restos humanos entre os anos de 2018 e 2022 “roubou órgãos e outras partes de corpos doados para pesquisa médica e educação antes de suas cremações”. Lodge é acusado de levar os restos de Havard, em Boston, até sua casa, em Goffstown, New Hampshire, onde, juntamente com sua mulher, os vendeu a dois outros acusados: Katrina Maclean e Joshua Taylor.

Às vezes, Lodge “permitia que Katrina e Taylor entrassem no necrotério e examinassem os cadáveres, para escolher qual comprar”, destacou a promotoria. Segundo os procuradores, Maclean e Taylor revendiam os restos em seguida. A acusação afirmou que Katrina enviou pele humana a Taylor para que a “queimasse” para produzir couro, informou o jornal “The Boston Globe”.

Lodge estava a cargo do programa de doações anatômicas do necrotério de Harvard. A universidade informou que ele foi demitido em 6 de maio. Outra acusada supostamente roubou restos de um necrotério do Arkansas no qual trabalhava, incluindo corpos de dois bebês natimortos que deveriam ser incinerados e devolvidos às suas famílias. Outros dois acusados supostamente compraram e venderam restos entre si, trocando mais de 100.000 dólares (cerca de R$ 485.000)

Com informações do The Boston Globe