Tá na Ita, tá legal!

Após pedir código de entrega, motoboy é agredido com muleta em Belo Horizonte.

Foto: Reprodução

 

Um jovem de 20 anos que atua como entregador de aplicativo ficou ferido após ter sido agredido com uma muleta na tarde de ontem, 15, no bairro Caiçara, Região Noroeste de Belo Horizonte. O motoboy contou à polícia que a motivação seria o pedido do código de entrega. De acordo com o histórico policial, a vítima disse que foi agredida pelos moradores da casa, pai e filho de 44 e 24 anos, onde faria a entrega de uma feijoada.

Após solicitar o código, mecanismo de segurança que é praxe nos aplicativos de delivery de comida, houve uma discussão dando início a uma confusão generalizada.
Os suspeitos de agressão argumentaram à polícia que perceberam pelo aplicativo que o entregador tinha desviado da rota e desconfiaram que ele teria mexido na entrega. Pediram, então, para ver a feijoada antes de passar o código. Dizem, ainda, que o entregador se exaltou e deu um tapa no braço e um empurrão em um dos suspeitos. Uma confusão começou e “ambos os lados” se exaltaram e partiram para a agressão física.

O entregador disse que não iria mostrar o pedido porque eles vêm lacrados e não podem ser violados antes da confirmação da entrega. O motoboy disse que foi agredido pelo mais jovem e se defendeu das agressões. Familiares dos moradores foram até o local para tentar conter a confusão. Um deles estava com mobilidade reduzida e usava a muleta utilizada nas agressões.

Testemunhas disseram que o rapaz ficou muito machucado e que pessoas no local chegaram a mexer na bolsa dele. Ele foi encaminhado para o Hospital Municipal Odilon Behrens com um corte profundo no braço e um buraco na costela.
O caso mobilizou a categoria e alguns entregadores se reuniram no local para pedir justiça.

Em nota, a Polícia Civil informou que a perícia esteve no local para coletar vestígios para a investigação. Os três envolvidos foram conduzidos para serem ouvidos na Central Estadual do Plantão Digital. A muleta foi apreendida.

 

Fonte: O Liberal