Tá na Ita, tá legal!

Advogado “Sanclair Martins” foi morto com 14 tiros em Novo Progresso, diz policia.

Foto: Reprodução (Redes Sociais)

A Polícia Civil da cidade de Novo Progresso,  está com um homicídio para investigar e descobrir a motivação e o autor do crime que vitimou o advogado Sanclair Ribeiro Martins de 40 anos.

O IML de Itaituba fez exame necroscópico (conhecido como autópsia) no corpo do advogado, encontrou 14 perfurações.  No local do crime a polícia encontrou 15 capsulas disparadas!

O advogado foi encontrado morto na residência onde morava com a família, no município de Novo Progresso, cujo corpo foi descoberto na tarde desta quinta-feira (24).

Segundo as primeiras informações, a Polícia Militar de Novo Progresso foi acionada para atender a ocorrência, após um vizinho chegar na residência e encontrar o advogado caído em uma poça de sangue com múltiplas perfurações de arma de fogo pelo corpo.

Logo, a Polícia Civil foi acionada para o levantamento de local de crime sendo percebido que o assassino certamente para mascarar a situação levou o celular do advogado e também danificou parte do sistema de segurança através de câmeras e HD de gravação de imagens.

Pelas informações, o advogado Sanclair Ribeiro Martins de 40 anos, era casado e  morava no bairro Nego do Bento e possivelmente pode ter sido assassinado na noite anterior. Chamou atenção que vizinhos ouviram alguma movimentação estranha e barulho de tiros por volta das 02h desta quinta-feira (24).

Ocorre que os vizinhos não se importaram uma vez que o advogado possuía arma em casa e vez por outra a utilizava testando munição. No chão do imóvel, os policiais recolheram quinze estojos de pistola.

Pelas características do crime a polícia acredita em execução. O advogado Sanclair Martins foi atingido com pelo menos quinze tiros de uma pistola automática. Ele foi assessor jurídico da Secretaria de Meio Ambiente, em 2021, da prefeitura de Novo Progresso e atualmente atuava na advocacia.

Informações coletadas pelo Jornal Folha do Progresso, que o advogado estava passando por dificuldade financeira, e tinha dinheiro com terceiros para receber.

O delegado Francisco de Oliveira de Novo Progresso instaurou inquérito policial e fez apreensão de uma CPU, uma câmera de filmagem, um celular encontrado e três cartões de memória de câmeras de segurança.

Fonte: Jornal Folha do Progresso