Tá na Ita, tá legal!

Acusado de triplo homicídio em 2014, Dejacir Ferreira é condenado a 42 anos de prisão em regime fechado

Dejacir foi condenado a 42 anos de prisão em regime fechado. (Foto/André Farias)

O segundo dia de audiência foi também o decisivo para futuro do réu Dejacir Ferreira de Sousa, envolvido no caso do triplo homicídio ocorrido em 2014, na cidade de Itaituba, onde três mulheres foram assassinadas brutalmente.

Ainda durante a tarde de terça-feira (10), horas antes do anúncio do resultado do julgamento, a expectativa era grande por parte da classe da OAB do estado, que aguardavam a decisão do juiz.

Uma movimentação intensa se formou em frente ao fórum da cidade e também do lado de dentro do prédio do órgão durante o júri popular. Durante o julgamento, Dejacir, que desde o princípio dizia desconhecer Altair dos Santos, ex-esposo da advogada assassinada, confessou ao juiz e ao júri que matou Leda, por ordem do também advogado Altair, e que para realizar o crime teria recebido a quantia de R$5.000 (cinco mil reais). Após confessar a autoria do crime, bem como o nome do mandante, Dejacir relatou que no dia anterior e no dia do ocorrido fez uso de drogas.

Os últimos instantes do julgamento transcorreu com o rito de praxe das audiências, onde as testemunha são ouvidas, a leitura de peças, onde o juiz faz indagações ao promotor, a defesa e aos jurados, o interrogatório do réu, o debate entre acusação e defesa, a leitura dos quesitos que serão postos em votação, seguido da votação secreta e por fim a sentença.

Por conta do tripo homicídio, o réu Dejacir Ferreira foi condenado a 42 anos, 8 meses e 28 dias de prisão em regime fechado. A sentença foi dada pelo juiz Mario Botelho Vieira.

A defensoria pública, responsável pela defesa do réu, apesar de concordar que a justiça foi feita, disse que irá recorrer da sentença.

Dejacir agora será encaminhado para a unidade prisional, onde cumprirá a pena a qual foi sentenciado.

 

Fonte: ITA FM